Go to the content
Colabore com a casa
or

 Go back to Temas Doutri...
Full screen Suggest an article

comunicação com as esferas mais altas

February 27, 2020 19:01 , by Redação CDC - 1One comment | No one following this article yet.
Viewed 183 times

Site 2

 

COMUNICAÇÃO COM ESFERAS MAIS ALTAS

 

“...toda matéria mental está revestida de força plasmadora e exteriorizante.” (Missionários da Luz/ André Luiz, cap. 6) 

“O Espiritismo torna compreensível a ação da prece, explicando o modo de transmissão do pensamento, quer no caso em que o ser a quem oramos acuda ao nosso apelo, quer no em que apenas lhe chegue o nosso pensamento. Para apreendermos o que ocorre em tal circunstância, precisamos nos conceber mergulhados no fluido universal, que ocupa o espaço, todos os seres, encarnados e desencarnados, tal qual nos achamos, neste mundo, dentro da atmosfera. Esse fluido recebe da vontade uma impulsão; ele é o veículo do pensamento, como o ar o é do som, com a diferença de que as vibrações do ar são circunscritas, ao passo que as do fluido universal se estendem ao infinito. Dirigindo, pois, o pensamento para um ser qualquer, na Terra ou no espaço, de encarnado para desencarnado, ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece entre um e outro, transmitindo de um ao outro o pensamento, como o ar transmite o som.” O Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo 27, item 10.

Rezar, orar ou realizar preces é um comportamento habitual do ser humano nos seus ritos de adoração, nas mais diferentes orientações religiosas através dos tempos.

Apelar para um poder maior diante de dificuldades e problemas – esta é a utilidade convencional atribuída à prece. Quase sempre é a premissa básica que nos orienta em relação a orar.  Transformamos a prece em pedido... e instalados nesta dimensão perceptual nos privamos de utilizá-la como forma de agradecimento ou meio de comunicação.

Consultórios médicos, agendas de terapeutas e psicólogos lotam com pessoas que se queixam de solidão e vazio existencial. Mencionam ausência de laços afetivos profundos.  Sentem-se ‘soltos’, ‘ocos’ e a aquisição de objetos e bens, ou ainda, a diversão interminável em festas e comemorações não trazem saciedade.

Falta-nos o senso de plenitude, suficiente para dar consistência a presença divina em nós. Presença esta que pode ser evocada ao campo da consciência através da prece.

A atitude de prece implica acessar uma maneira de regular nossas vibrações mentais, com repercussão direta nos nossos padrões de ondas cerebrais e consequências imediatas em nossas funções vegetativas, fisiológicas. Mas isso apenas ocorre quando aprendemos a utilizamos como canal de acesso, com a abertura necessária para senti-la na forma de diálogo com Deus.

Um diálogo implica em comunicação recíproca, em obtenção de respostas captadas pelos sentidos. Não é a emissão de uma mensagem em direção ao nada, ou ao vácuo! 

Essa perspectiva implica no reconhecimento da existência efetiva de Deus como um Ser.  E por um momento coloque de lado as considerações críticas sobre um olhar que humaniza Deus, que sabemos: é a Inteligência Suprema e, não um humano. Precisamos instituir formalmente em nosso íntimo a dimensão da relação entre criatura e Criador.

É algo que de fato converte a nossa imagem arcaica do Deus julgador no Pai amoroso que Jesus nos apresenta no Evangelho.

A oração, como emissão de pensamento, é uma emanação que se desprende do seu campo mental. É um produto da sua mente, que se despe de todo ruído externo e interno, e silencia. De forma intuitiva e inconsciente, afunila o campo de atenção, focando numa direção única. 

O espírito André Luiz, na obra Missionários da Luz, amplia nosso olhar, através das considerações do capítulo seis, intitulado ‘A Oração’, nas palavras do instrutor Alexandre:

“A criatura que ora, mobilizando as próprias forças, realiza trabalhos de inexprimível significação. Semelhante estado psíquico descortina forças ignoradas, revela a nossa origem divina e coloca-nos em contato com as fontes superiores. Dentro dessa realização, o Espírito, em qualquer forma, pode emitir raios de espantoso poder. Os raios divinos, expedidos pela oração santificadora, convertem-se em fatores adiantados de cooperação eficiente e definitiva na cura do corpo, na renovação da alma e iluminação da consciência”.

Forças e recursos internos, desconhecidos e imponderáveis são acionados através da oração no indivíduo que a realiza! Como consequência altera-se nosso padrão vibracional, energético, e imantamos todo nosso ser com outro gênero de energias. 

Este processo, guardadas as devidas proporções, e sob o imperativo do merecimento pode gerar curas físicas. Promover o restabelecimento do sistema imune. Restituir a saúde. 

É ainda André que registra em Mecanismos da Mediunidade, no capitulo 25 intitulado a Grandeza da Oração:

“De essência divina, a prece será sempre o reflexo positivamente sublime do Espírito, em qualquer posição, por obrigá-lo a despedir de si mesmo os elementos mais puros de que possa dispor. No reconhecimento ou na petição, na diligência ou no êxtase, na alegria ou na dor, na tranquilidade ou na aflição, ei-la exteriorizando a consciência que a formula, em efusões indescritíveis, sobre as quais as ondulações do Céu corrigem o magnetismo torturado da criatura, insulada no sofrimento educativo da Terra, recompondo-lhe as faculdades profundas.

Esse processo, como o som se propagando no ar, repercute nos órgãos sensíveis de outros seres inteligentes, que muitas vezes podem responder as nossas emanações, e o fazem, em acordo com a vontade Divina. É o estabelecimento de uma corrente fluídica. Espíritos elevados conjugam então com as nossas, as suas vibrações. O pensamento é impulsionado pela vontade.

Nas considerações de Marco Prisco, em Momentos de Decisão, na mensagem Nunca é Demais, através da psicografia de Divaldo Franco:

Orando, você, naturalmente, haurirá nas fontes inesgotáveis da Divina Providência as energias necessárias para o êxito dos seus cometimentos.
Não se deixe vencer pelos que o abordam com ceticismo e preferem a manifestação cínica diante do seu estado de prece e de confiança.
Uma prece a mais nunca é demais.

Orar, portanto, deve ser vivenciar uma outra condição. 

Uósnei Moncorvo


1One comment

  • E39ec7c691948e0239ccba2ff2098eae?only path=false&size=50&d=404Valquiria Farias(unauthenticated user)
    March 19, 2020 9:16

    Meu parecer

    Sempre que me coloco em oração elevo a minha mente ao contato com as energias salutares e protetoras dos irmãos de luz e tento prover a minha alma de sentimentos puros acreditando entrar em sintonia com as energias superiores


Post a comment

* field is mandatory

If you are a registered user, you can login and be automatically recognized.