Go to the content
Colabore com a casa
or

 Go back to Temas Doutri...
Full screen Suggest an article

UMA GRANDE OBRA EM SUA TRAJETÓRIA UNIVERSAL

January 27, 2021 17:32 , by Redação CDC - 0no comments yet | No one following this article yet.
Viewed 100 times

Genese 153 anos

UMA GRANDE OBRA EM SUA TRAJETÓRIA UNIVERSAL

A GÊNESE - 153 ANOS

                                                                                                            (James Nei)

A 6 de janeiro de 1868, após onze anos da publicação de ‘O Livro dos Espíritos’, o apóstolo e codificador da Doutrina Espírita, Allan Kardec,  apresenta ‘A Gênese – Os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo’ ou, na tradução do original francês,  ‘La Genése - Les Miracles et Les Predictions selon le Spiritisme’.

Esta  é a quinta obra da codificação espírita. Nela, são apresentados os ensinos universais, com a célebre revelação do espírito Galileu no capítulo VI, Uranografia geral. É nesse capítulo que encontramos - de uma série de comunicações  ditadas à Sociedade Espírita de Paris, entre 1862 e 1863 e tendo como médium o célebre astrônomo francês Camille Flammarion – o que judiciosamente, diríamos é a espinha dorsal  desta  obra. Certamente, deveria existir entre o astrônomo italiano Galileu,  no mundo espiritual, uma inteira identificação, além de uma perfeita sintonia mental e inspirativa, com o médium francês, para produzir as célebres mensagens publicadas na referida revista.     

Dessa forma, é possível traçar  com base em pesquisa na Revista Espírita, publicada pelo Codificador,  a trajetória de ‘A Gênese’. Vejamos:

Em 1867, na Revista Espírita de novembro é divulgado que o livro ‘A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo’, ainda no prelo, seria publicado em dezembro daquele ano, composto de quinhentas páginas.

Em janeiro de 1868 a Revista Espírita noticia que o livro está à venda, no dia 6 de janeiro, publicando, logo a seguir, a sua tábua de matérias (sumário).

Kardec publicaria na Revista Espírita, com o título ‘Apreciação da obra A Gênese’ (Paris, 18 de dezembro de 1867 – Médium: Sr. Desliens) a seguinte mensagem:  “Esta obra vem na hora certa, na medida em que a doutrina está hoje bem estabelecida do ponto de vista moral e religioso. Seja qual for a direção que tome de agora em diante, tem precedents muito arraigados no coração dos adeptos, para que ninguém possa temer que ela se desvie de seu caminho. O que importava satisfazer antes de tudo, eram as aspirações da alma; era suprir o vazio deixado pela dúvida nas almas vacilantes em sua fé. Esta primeira missão hoje está cumprida. 

Em fevereiro de 1868 o Espiritismo entra atualmente em uma nova fase; ao atributo de consolador, alia o de instrutor e diretor do espírito, em ciência e em filosofia, como em moralidade. A caridade, sua base inabalável, dele fez o laço das almas ternas; a Ciência, a solidariedade, a progressão, o espírito liberal dele farão o traço de união das almas fortes. Conquistou os corações que amam com armas de doçura; hoje viril, é às inteligências viris que se dirige. Materialistas, positivistas, todos os que, por um motivo qualquer, se afastaram de uma espiritualidade cujas imperfeições suas inteligências lhes mostravam, nele vão encontrar novos alimentos para sua insaciabilidade. A Ciência é sua senhora, mas uma descoberta chama outra, e o homem avança sem cessar com ela, de desejo em desejo, sem encontrar complete satisfação. É que o Espírito também tem suas necessidades; é que a alma mais ateísta tem aspirações secretas, inconfessadas, e que essas aspirações reclamam seu alimento. A religião, antagonista da Ciência, respondia pelo mistério a todas as questões da filosofia céptica. Ela violava as leis da Natureza e as adaptava à sua fantasia, para daí extrair uma explicação incoerente de seus ensinamentos. Vós, ao contrário, vos sacrificais à Ciência; aceita isto dos seus ensinamentos sem exceção e lhe abris horizontes que ela supunha intransponíveis. Tal será o efeito desta nova obra; não poderá senão assegurar mais os fundamentos da crença espírita nos corações que já a possuem, e fará dar um passo à frente para a unidade a todos os dissidentes, à exceção, entretanto, dos que o são por interesse ou por amor próprio; esses o veem com despeito sobre bases cada vez mais inabaláveis, que os lançam para trás e os rechaçam na sombra. Só havia pouco ou nenhum terreno comum onde se pudessem encontrar. Hoje, o materialismo vos acotovela por toda parte, porque estando em seu terreno, não estareis menos no vosso, e ele não poderá fazer outra coisa senão aprender a conhecer os hóspedes que lhe traz a filosofia espírita. É um instrumento de duplo efeito: uma sapa, uma mina que ainda derruba algumas ruínas do passado, uma colher de pedreiro que edifice para o futuro. A questão de origem que se prende à Gênese é para todos uma questão apaixonada. Um livro escrito sobre esta material deve, em conseqüência, interessar a todos os espíritos sérios. Por esse livro, como vos disse, o Espiritismo entra numa nova fase e esta preparará as vias da fase que mais tarde se abrirá, porque cada coisa deve vir a seu tempo. Antecipar o momento propício é tão prejudicial quanto deixá-lo escapar (São Luís).”

No primeiro capítulo da referida obra “Caráter da revelação espírita”, Kardec em suas considerações pedagógicas inicia com os respectivos questionamentos no item 1. Pode-se considerar o Espiritismo como uma revelação? Neste caso, qual o seu caráter? Em que se funda a sua autenticidade? A quem e de que maneira ela foi feita? A Doutrina Espírita é uma revelação, no sentido teológico da palavra, isto é, o produto do ensino oculto vindo do Alto? É absoluta ou suscetível de modificações? Trazendo aos homens a verdade integral, a revelação não teria por efeito impedí-los de fazer uso das suas faculdades, pois que lhes pouparia o trabalho da investigação? Qual a autoridade do ensino dos Espíritos, se eles não são infalíveis nem superiores à humanidade? Qual a utilidade da moral que pregam, visto que essa moral não é diferente da moral cristã, já conhecida? Quais as verdades novas que eles nos trazem? O homem precisará de uma revelação? E não poderá achar em si mesmo e em sua consciência tudo quanto lhe é necessário para se conduzir na vida? Tais as questões que devemos considerar.

Em resposta às indagações de Kardec no século XIX diria, com as recentes descobertas Neil de Gasse Tyson e Donald Goldsmith em seu livro ‘Origens’ apresenta a infinita possibilidade dos multiversos: os diversos universos sobpostos, ligados entre eles pelos buracos negros. Ao analisarmos esta extraordinária obra dos notáveis astrônomos percebemos os pontos de conexão entre a Cosmologia moderna e o advento da revelação Espírita, em toda a sua estrutura científica apresentada por Kardec em ‘O Livro dos Espíritos’ e na ‘A Gênese’, no capítulo VI, Uranografia Geral - “Descrição do Céu estudo da astronomia universal”.

O espaço e o tempo, a origem da matéria, As leis e as forças, A criação primária, A criação universal, Os sóis e os planetas, Os satélites, Os cometas, A Via Láctea, As estrelas fixas, Os desertos do espaço, Eterna sucessão dos mundos, A vida universal e Diversidade dos mundos é narrado de forma esclarecedora pelo espírito Galileu (1564-1642), que exerceu na Terra a função de astrônomo na idade media, ao professor Rivail na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.  Em todo o seu capítulo VI do livro ‘A Gênese’ ele antecede para a humanidade o que a Cosmologia e o telescópio espacial Hubble tem demonstrado. Impressionantes descobertas de outros planetas com  probabilidades habitáveis ou exoplanetas. "Um exoplaneta ou planeta extrassolar é um planeta que orbita uma estrela que não seja o Sol e, desta forma, pertence a um sistema planetário distinto do nosso” e que se localiza a milhões de anos-luz da Terra, como a mais recente descoberta do século, apresentada em fevereiro desse ano, pelo LIGO (Laser Interferometer Gravitational -Wave Observatory, Institute of Technology em Pasadena, Califórnia, EEUU) onde os  cientistas observaram ondas gravitacionais, pela primeira vez, em uma descoberta histórica, considerada “o maior avanço científico do século”

Os pesquisadores detectaram a curvatura do espaço-tempo causada por uma colisão de dois buracos negros maciços, que representa algo previsto pela primeira vez na Teoria da Relatividade Geral, de Einstein, em 1915. Tais ondas gravitacionais, criadas a um bilhão de anos-luz da Terra, ajudam a confirmer que o nosso Universo foi criado conforme sugere a Teoria do Big Bang. Isso traz uma visão sem precedentes sobre o evento que criou o Universo.

É evidente que isto precisa ser, a cada dia, confirmado por espíritas estudiosos das obras básicas da codificação que certamente realizam as respectivas conexões entre os postulados espíritas e as descobertas e avanços mais recentes em vários seguimentos do conhecimento científico. 

Por todo o exposto acima, e nos seus 153 anos da publicação do livro ‘A Gênese’ afirmamos que esta é uma obra  UNIVERSAL.

 

Referências

  • A Gênese, os milagres e as predições segundo o Espiritismo (Coluna Espírita – site FEB, 2018, autor: Geraldo Campetti Sobrinho)

            (https://www.febnet.org.br/blog/geral/colunistas/a-genese-os-milagres-e-as-  predicoes-segundo-o-espiritismo/)

  • A Gênese, Allan Kardec, cap.VI Uranografia geral - Cap. I Caráter da Revelação Espírita 
  • Revista Espírita, novembro de 1867 - Allan Kardec
  • Revista Espírita, janeiro de 1868 - Allan Kardec
  • A Origem do Universo e a Infinita diversidade de Vida fora da Terra - James Ney 

 

"(...) Desde que se admite a solicitude de Deus para com as suas criaturas, por que não se há de admitir que espíritos capazes, por sua energia e superioridade de conhecimento,  de fazerem que a humanidade avance, encarnem pela vontade de Deus, com o fim de ativarem o progresso em determinado sentido? Por que não admitir que eles recebam missões, como um embaixador as recebe do seu soberano? Tal o papel dos grandes gênios. Que vêm eles fazer, senão ensinar aos homens verdades que estes ignoram e ainda ignorariam durante largos períodos, a fim de lhes dar um ponto de apoio mediante o qual possam elevar-se mais rapidamente? Esses gênios, que aparecem através dos séculos como estrelas brilhantes, deixando longo traço luminoso sobre a humanidade, são missionários ou, se o quiserem, messias. O que de novo ensinam aos homens, quer na ordem física, quer na filosófica, são revelações." (Allan Kardec,  A Gênese)

 


0no comments yet

Post a comment

* field is mandatory

If you are a registered user, you can login and be automatically recognized.